Pesquisadores do Museu Americano de História Natural publicaram em 2 fevereiro de 2018 na revista Nature Scientific Reports uma descoberta muito interessante sobre o guepardo — o animal terrestre mais rápido do mundo. 

Os pesquisadores Camille Grohé, Beatrice Lee e John Flynn explicaram que, por causa da estratégia de caça do guepardo, que se alimenta de gazelas, antílopes e impalas, o animal desenvolveu ao longo de sua evolução características ligadas à sua rápida movimentação e performance predatória.

Usando um equipamento de micro-tomografia computadorizada de alta resolução e análises em 3D, o grupo estudou o tamanho do sistema vestibular do guepardo — o órgão que é o principal responsável por detectar os movimentos da cabeça e direcionar os olhos e os músculos do pescoço para manter sua impressionante coordenação motora e a direção de seus movimentos, e o comparou a outros 12 felídeos que vivem nos dias de hoje e os fósseis de 2 espécies de felídeos, sendo um deles um ancestral do guepardo e o outro, um dos primeiros felídeos do planeta.

A revelação feita pelos pesquisadores foi a de que o sistema vestibular presente na orelha interna do guepardo é muito maior e tem formato bastante diferente dos outros felídeos, o que permite que ele mantenha estabilidade visual e de movimento nas perseguições de suas presas a altas velocidades, em que atinge até 104 km/h.